Mistério e Alquimia

O segredo do Ruby e do Tawny

Sempre gostei de vinho do Porto. Mas, até há pouco tempo, pouco sabia acerca dele e nunca percebi porque havia um que se chamava Ruby e outro Tawny… Para mim era tudo vinho do Porto e nada mais…
Até que um dia conheci os Niepoort…
Pediram-me que lhes desenhasse uma história sobre o vinho do Porto que explicasse sobretudo as diferenças entre Ruby e Tawny. Empenharam-se em que eu percebesse bem todo o processo da sua elaboração desde o princípio. E abriu-se-me então todo um universo até aí desconhecido para mim. Primeiro, levaram-me ao Douro. Era a primeira vez que eu ia ao famoso vale encantado em escada… E conheci as vinhas, graficamente sinuosas com rio ao fundo, os lagares de granito, as pessoas que lá vivem, trabalham e cujos pés ainda pisam as uvas. (Porque, pelo menos para o vinho do Porto, parece que, felizmente, ainda não há nada tão bom que possa substituir as pessoas…)
Começou então o desvendar do segredo do Ruby e do Tawny, uma história de mistério e alquimia: Ao líquido doce das uvas pisadas é misturada aguardente. Forte (77%). Nas semanas seguintes, estes dois líquidos vão combinar-se num único e mesmo vinho, o que pára o processo de fermentação e faz com que o doce permaneça. Mas, nessa altura, ainda não é vinho do Porto, muito menos Ruby ou Tawny. Está numa fase de gestação… Ao fim de seis meses, dá-se então o nascimento do Ruby e do Tawny… Nessa altura, eles têm que partir e deixar o Douro para sempre, rio abaixo, até às misteriosas e sombrias caves em Gaia.

E a luz radiante do Douro dá lugar a uma luz escassa, filtrada, mágica. Em vez de vinhas, há filas e filas de balseiros, de tonéis, pipas e barris. Se não soubéssemos que aquilo é mesmo real, dir-se-ia que tudo foi estrategicamente estudado para criar um cenário fantástico e cinematográfico: até o bolor negro e as teias de aranha das paredes parecem ter sido colocados ali de propósito para aumentar o suspense e aquela arquitectura vertiginosamente desnivelada e angulosa da escarpa do Douro poderia ter sido cuidadosamente planeada para obter uma perfeita mise-en-scene. Aqui, apesar de partilharem o mesmo tecto, o Ruby e o Tawny vão ganhar personalidades completamente diferentes há medida que o tempo avança.
Quando chegam a Gaia, o jovem Ruby é colocado em tonéis grandes durante um período de tempo que, falando em linguagem de vinho do Porto, se considera curto: 2 a 6 anos. Depois é engarrafado e é aí que vai envelhecer e ganhar as características que lhe dão nome. Ao ser colocado em garrafa muito jovem, está menos exposto à oxidação e vai preservar o gosto, aroma e cor do fruto de lhe deu origem: vermelha, Ruby. Por seu turno, o Tawny é colocado em cascos pequenos que o deixam respirar e é aí que envelhece durante anos e anos. Com o tempo, oxida, a sua cor torna-se dourada, o que também justifica o seu nome: Tawny. Torna-se sofisticado, delicado no aroma e ganha a sabedoria que só a idade permite… Assim me foram apresentadas as personagens principais da história que eu devia desenhar. Mas o Ruby e o Tawny não eram, para mim, os únicos elementos importantes… esses lugares especiais onde tudo se passa e todas as pessoas que fui seguindo para compreender a história também faziam parte dela: se imediatamente associei o Ruby e o Tawny aos gémeos TweedleDum e TweedleDee da Alice…, o Douro e as caves de Gaia fazem-me lembrar os lugares fantásticos do próprio País das Maravilhas e, cada pessoa que conheci, uma das suas personagens.
Desenhei-os então, nesta livre adaptação de Alice no País das Maravilhas: Começa numa cidade cinzenta, com homens cinzentos, todos iguais, todos demasiado ocupados. Mas, subitamente, surge o Coelho Branco não se sabe de onde e desaparece numa ruela escura. Um dos homens cinzentos segue-o e descobre uma pequena porta ao fundo do beco, por onde certamente o coelho desapareceu. O buraco da fechadura tem a forma de um copo por onde escapa um raio de luz. Intrigado, o homem cinzento abre a portinha e espreita… e aí descobre o País de Maravilhas do vinho do Porto: o Douro, os lagares, as caves. Aqui há contrastes de luz e sombra, há alegria, cor e todas as personagens são distintas umas das outras, é tudo bem diferente da cidade cinzenta…
Alice e todas as outras personagens estão ocupadas no processo de elaboração do vinho do Porto. Nascem então o Ruby e o Tawny, aos quais dei os nomes de RubyDum e TawnyDee. No início, são gémeos siameses, depois separam-se, passam por diferentes etapas e envelhecem cada um à sua maneira. Têm fatos de banho e barbatanas porque, afinal, passam toda a sua vida mergulhados num meio líquido, têm que estar bem equipados! O Coelho Branco, obviamente, é o Mestre do Tempo, é quem sabe gerir o segredo do envelhecimento do vinho do Porto. Quando o RubyDum e o TawnyDee já estão nas suas respectivas garrafas, todas as outras personagens se retiram sorrateiramente para que eles possam adormecer e envelhecer em paz.
O homem cinzento, que observara toda a cena, decide então deixar a cidade cinzenta e entra pela portinha secreta para o País das Maravilhas. Mas ele é grande demais, disforme, desajustado a este Universo. É então que prova o vinho das garrafas onde se lê “Drink Me”. O RubyDum e o TawnyDee, tal como génios, libertam-se da garrafa mágica e o homem cinzento transforma-se então em mais uma personagem da história. Todas estas personagens existem de facto… sei quem elas são, encontrei-as uma por uma ao longo da minha aprendizagem sobre o vinho do Porto: são a equipa Niepoort, gente apaixonada pelo que faz. Em cada uma delas reconheci uma personagem de Alice no País das Maravilhas: a própria Alice, o Coelho Branco, a Rainha de Copas, o gato de Cheshire, o Chapeleiro Maluco, até o homem cinzento que se transforma em personagem do vinho do Porto ao prová-lo. Foi um prazer e um privilégio enorme para mim conhecê-los. Esta história é para eles. | Regina Pessoa


Mistério e Alquimia de Regina Pessoa

Mistério e Alquimia de Regina Pessoa

Mistério e Alquimia de Regina Pessoa

Mistério e Alquimia de Regina Pessoa

Mistério e Alquimia de Regina Pessoa

Mistério e Alquimia de Regina Pessoa

Mistério e Alquimia de Regina Pessoa


Data

De 19 de Dezembro de 2009 a 24 de Janeiro de 2010


Esta exposição contou com o apoio da Niepoort.